Saúde

Diagnóstico e tratamento do cisto ovariano com menopausa

Pin
Send
Share
Send
Send


Quando a menopausa ocorre, o corpo da mulher sofre mudanças significativas. Essas mudanças incluem alterações hormonais. A atividade dos ovários diminui, o que tem um efeito positivo na redução de várias doenças ginecológicas. Existe o perigo de perder a ocorrência de formação de ovário cístico no contexto de sintomas desagradáveis. Os primeiros sinais caracterizam o estado do corpo durante a menopausa.

Tipos de formações císticas do ovário durante a menopausa

Um cisto é uma neoplasia benigna na forma de um saco cheio de líquido. É anexado com a ajuda da perna para os tecidos circundantes.

  • As neoplasias graves incluem cistos com uma membrana densa consistindo de células epiteliais, semelhantes às células da mucosa. Localizado dentro da trompa de falópio ou camada superficial do ovário, preenchido com fluido. De acordo com estatísticas deste tipo, o cisto ovariano durante a menopausa é diagnosticado de 60 a 70 por cento em mulheres com mais de 50 anos de idade,
  • a mucinosa incluem tumores de várias cápsulas interligadas. Eles são preenchidos com muco de células epiteliais cobertas por uma membrana espessa. Cada 10 mulheres na menopausa são diagnosticadas,
  • neoplasias papilares incluem cistos na forma de crescimento parietal. Exames de ultra-som mostram mamilos característicos em um corpo cheio de fluido. Desenvolvido em 15% das mulheres mais velhas
  • endometrioid incluem educação, expandindo da membrana mucosa do útero. Eles são de cor preta, que é formado a partir do sangue contido no interior da cápsula. O endometrioma é encontrado em 3 por cento dos casos.

Causas do cisto durante a menopausa

Os cientistas identificaram uma série de fatores que determinam o risco de cistos ovarianos na pós-menopausa:

  • o início da menopausa prematura,
  • perturbações hormonais
  • sofreram frequentes doenças inflamatórias dos órgãos genitais,
  • disfunção do apêndice,
  • sangramento pós-menopausa.

Existe uma alta probabilidade de conversão de um cisto benigno para um neoplasma maligno. O exame cuidadoso e a implementação das recomendações de especialistas no tratamento da doença são necessárias.

Sintomas de cistos ovarianos durante a menopausa

Neoplasma frisky de tamanho pequeno, em alguns casos, não se manifesta. Um ligeiro desconforto é possível, o que não atrai a atenção por um ano ou vários anos.

No caso do crescimento do cisto, os seguintes sintomas podem aparecer:

  • aumento de peso e volume do abdômen,
  • visitas frequentes ao toalete devido à compressão da bexiga com um cisto,
  • dores decorrentes no abdômen e parte inferior das costas,
  • a temperatura pode subir para 39 graus,
  • aumento da dor durante o exercício, durante a relação sexual,
  • sangramento profuso em mulheres na pós-menopausa.

Para cada sintoma desse tipo, é necessário um exame de rotina individual por um ginecologista. O diagnóstico é realizado para estabelecer a natureza da educação e a escolha do tratamento adequado.

Diagnóstico de cistos ovarianos durante a menopausa

O cisto de ovário na menopausa é diagnosticado pelos seguintes métodos:

  • É necessário usar um teste de gravidez para excluir a possibilidade de ectópica em mulheres na pré-menopausa,
  • visitas obrigatórias ao ginecologista. Ele determinará a causa da dor,
  • exame de ultra-som. Ajuda a detectar a presença ou o crescimento de um neoplasma
  • laparoscopia. Usado como um método para diagnosticar cistos e tratamento
  • método de tomografia computadorizada determina a pureza do cisto, sua estrutura, localização, tamanho e outras indicações necessárias,
  • exame de sangue. Estabelecer indicadores de hormônios e análise de marcadores de tumor,
  • métodos transvaginais.

Tratamento sem cirurgia cistos ovarianos

Na ausência de indicações para intervenção cirúrgica, um cisto ovariano é tratado durante a menopausa com um método conservador. A principal tarefa é eliminar a automedicação para não agravar a condição e não levar ao crescimento de uma neoplasia.

O método do tratamento executa-se em consequência do exame. Dependendo da condição do paciente e da negligência da doença, o médico assistente determinará o curso do tratamento. Esta pode ser uma combinação de tratamento conservador e medicamentos homeopáticos em combinação com tratamentos tradicionais.

Um método conservador de tratamento é adequado no caso de formações benignas. Eles não devem ter a tendência de se transformar em um tumor maligno. O tratamento medicamentoso pode reduzir o tamanho dos cistos ovarianos benignos ou eliminá-los completamente. Terapia ajudará a aliviar a dor associada a esta doença. Quando um cisto ovariano com menopausa é prescrito por um médico, a medicação deve ser tomada:

  • drogas que normalizam hormônios. São drogas de ação combinada e análogos sintetizados de hormônios sexuais femininos (progestinas),
  • drogas anticâncer. O crescimento descontrolado de células em desenvolvimento inadequado é retardado, contribuindo para a recuperação em caso de mau funcionamento. Estes incluem anti-estrogênios,
  • drogas que aumentam a imunidade, vitaminas,
  • analgésicos e anti-inflamatórios.

Medicina folclórica

Além do tratamento de formações císticas pode servir como receitas de tratamento popular.

Tintura de absinto amargo é um remédio popular no tratamento de cistos ovarianos após 50 anos. Pode ser usado por um longo tempo, porque a ferramenta é reconhecida como totalmente segura.

A receita consiste nos seguintes ingredientes:

  • absinto - 2 colheres de sopa,
  • brotos de bétula - 1 colher de sopa,
  • Aloe - 1 folha,
  • pimenta - 1 vagem, vodka - 0,5 litros.

Tudo misturado, insista pelo menos uma semana. Quando usado em 100 ml de água, adicione uma colher de sopa de tintura para beber antes das refeições 3 vezes ao dia. O tratamento é realizado dentro de 2 a 3 meses.

Infusão de whiskers de ouro

Para o tratamento de cistos ovarianos na menopausa, a infusão de bigodes dourados é distribuída. É feito com base em hastes com pelo menos 9 joelhos. Eles devem ser esmagados sem usar objetos de metal, caso contrário, as propriedades curativas da planta são reduzidas. A composição é vertida com vodka e infundida por 2 semanas, mexendo diariamente. Quando pronta, a infusão deve ser filtrada. A composição resultante antes de cada uso é diluída na seguinte proporção: 10 gotas do produto são adicionadas a 30 mililitros de água fervida e gelada e tomadas 2 vezes ao dia antes das refeições. A dosagem aumenta gradualmente, adicionando 1 gota por dia a 35 gotas por dose única. O tratamento continua por seis meses.

Usando o absinto

Outro remédio popular para o tratamento de neoplasias benignas de apêndices de pós-menopausa é uma compressa da grama de absinto. Um ramo de grama com flores de absinto deve ser fervido com água fervente, bem fechado e deixado em repouso por 5 minutos. Em seguida, esfriar a infusão, molhe um pano em uma infusão quente, de preferência de algodão ou linho. Depois de colocar a barriga na parte inferior, envolva-se em roupas quentes ou um cobertor. Comprimir set todos os dias à noite durante 3 meses.

Borovaya útero e celidônia para o tratamento da menopausa

É considerado uma decocção eficaz do útero de boro. O método de cozimento é simples. Você precisa de 1 colher de sopa de uma colina de ervas de útero de boro para despejar 200 ml de água quente e deixe para um banho de água durante 15 minutos. Insistir por 3 horas, escorra e aperte. Tome uma colher de sopa durante o dia. O tratamento é realizado dentro de 2 a 3 meses.

Também é fácil cozinhar o caldo de celandine. Uma colher de sopa de erva seca celandina é derramada com um litro de água fervente e cozida por 5 minutos, filtrada, arrefecida. É necessário aceitar 80 ml antes da comida três vezes por dia em seguinte ordem: 7 dias para aceitar o caldo, 7 dias de resto. O tratamento continua por 3 meses.

Outros métodos de tratamento popular

Para normalizar o fundo hormonal é aplicada a infusão de casca de noz. A infusão é feita a partir de 100 g de casca e 500 ml de vodka por uma semana, depois filtrada. Aceito 20 ml com o estômago vazio durante o mês.

A tintura de passas é preparada da seguinte forma. 300 gramas de passas são colocadas em um litro de vodka e infundidas por 7 dias. Aplicar-se dentro de 20 ml três vezes por dia dentro de um mês.

O tratamento vaginal também é realizado através da introdução de um tampão. A composição para impregnação do tampão é preparada como se segue. A cebola média é limpa e colocada no mel por um dia. Apresentar-se com mel impregna a bandagem, formar um tampão e colocar durante a noite vaginalmente. O procedimento é feito dentro de 10 dias.

Além disso, o tratamento é realizado com a ajuda de mel puro. Você deve primeiro fazer uma solução de limpeza com bicarbonato de sódio e depois introduzir um tampão embebido em mel durante a noite. O tratamento continua por um crescente.

Cirurgia

Os pacientes geralmente apresentam complicações que só podem ser tratadas cirurgicamente. Essas complicações incluem:

  • Neoplasias móveis que provocam a torção do cisto. As mulheres têm sintomas agudos de dor. Aumento da temperatura, vômito, corrimento vaginal do sangue.
  • Cerca de 3% das operações em ginecologia são realizadas anualmente devido a uma ruptura do cisto. Como resultado da perfuração, começa a hemorragia interna, acompanhada de dor aguda. Como resultado dessa complicação, podem ocorrer aderências dos ovários com órgãos adjacentes, cicatrizes.

Além dos casos de emergência, o médico determina a necessidade de cirurgia. Isso ocorre na presença de neoplasias císticas, que têm uma tendência crescente de se transformar em um tumor cancerígeno. Requer remoção imediata.

Tal operação é chamada ovariectomia. A necessidade de remover o útero é considerada individualmente em cada caso. Ressecção do útero é realizada na presença de um risco aumentado de câncer.

A ovariectomia é realizada por um dos dois métodos:

  • Laparoscopia. A operação com a ajuda de equipamentos endoscópicos especializados é realizada através de punções especiais,
  • Laparotomia. Há uma abertura total da cavidade abdominal.

O tratamento cirúrgico inclui cirurgia e período de recuperação. A recuperação consiste em anestesia e manutenção de um regime benigno.

Com o início de um período importante na vida como menopausa, vale a pena tratar seu corpo com mais cuidado. Deve ser examinado regularmente por um ginecologista para a presença de cistos. Em caso de detecção de tais formações, é necessário verificar periodicamente sua condição.

Há frequentemente um cisto ovariano na menopausa?

Um cisto é uma cápsula cheia de líquido, que com a ajuda da perna é anexada ao ovário. Pode eventualmente crescer em tamanho, também torcer ao redor da perna e estourar, resultando na necessidade de intervenção cirúrgica imediata.

Cistos são divididos em 2 tipos - funcionais e epiteliais. O primeiro tipo forma-se muitas vezes em mulheres da idade de gravidez em consequência de processos cíclicos que ocorrem nos ovários. Esses cistos podem desaparecer após várias menstruações. Como as mulheres no período da menopausa já não ocorrem tais processos cíclicos, os cistos funcionais aparecem com extrema raridade.

Os cistos epiteliais são divididos em endometrioma e cistadenoma. A primeira ocorre como resultado do crescimento do endométrio, ocorre em cerca de 3% dos pacientes e é removida apenas por cirurgia. O cistoadenoma seroso ovariano na menopausa aparece em 60% dos casos, sendo o papilífero e mucinoso menos comum (cerca de 10%). Esses cistos geralmente se desenvolvem em cânceres e exigem supervisão médica obrigatória.

O cisto de ovário na menopausa ocorre com freqüência e nos estágios iniciais é quase assintomático. Há vários fatores que aumentam o risco de desenvolver neoplasias císticas:

  • início precoce da menopausa,
  • falta de gravidez e a presença de abortos,
  • doenças venéreas prévias
  • suspeita de mioma uterino,
  • inflamação freqüente dos apêndices da história
  • manchando,
  • idade acima de 50 anos.

Tamanho do cisto: norma e patologia

A fim de investigar a neoplasia benigna que apareceu nos ovários, o médico realiza um diagnóstico de ultra-som. Se um cisto ovariano não atingir um tamanho maior que 5 cm durante a menopausa, ele não poderá ser removido. O tratamento médico conservador é levado a cabo.

Médicos estrangeiros acreditam que formações de câmara única com paredes finas e tamanhos menores que 10 cm também não devem ser removidas, pois não degeneram em malignas. Cistos multi-câmara, cujo tamanho excede o especificado, são considerados patologia. Esses cistos devem ser removidos, geralmente com anexos.

Tratamentos modernos

A principal questão que preocupa uma mulher quando um cisto ovariano é encontrado na menopausa é o tratamento que o médico prescreve. Os seguintes fatores são levados em consideração para tomar essa decisão:

  1. A fase do climatério.
  2. Educação de câmara única ou câmara múltipla.
  3. A densidade das paredes.
  4. O tamanho do cisto.
  5. O número de ovários afetados.
  6. Acúmulo de líquido na cavidade abdominal.

Depois de realizar um exame de ultrassonografia e determinar a presença ou ausência desses fatores negativos, é tomada uma decisão sobre a natureza do tratamento. Um médico pode prescrever exames adicionais: tomografia computadorizada e ressonância magnética, níveis hormonais e marcadores tumorais CA 125.

Existe um tratamento médico e cirúrgico. No primeiro caso, são prescritos comprimidos e monitoramento regular dos resultados. Na maioria das vezes, as mulheres recorrem a um ginecologista quando há sinais de crescimento do cisto em grandes tamanhos. Ele começa a pressionar os órgãos vizinhos, que se manifesta na forma de dor na pelve, micção freqüente e sensação de inchaço. Neste caso, a cirurgia é necessária, o que pode ser realizado com um laparoscópio. Às vezes, o cisto é removido junto com os ovários para evitar câncer no futuro. Tal operação é chamada de ovariectomia, é freqüentemente realizada por laparotomia quando a parede abdominal é dissecada para obter acesso aos órgãos.

Laparoscopia - suturas mínimas

A remoção mais freqüente realizada de cistos ovarianos por laparoscopia. Esta é uma maneira suave de intervenção cirúrgica, quando vários cortes são feitos na área abdominal no corpo do paciente. O cirurgião executa a operação usando um dispositivo especial - um laparoscópio e vê todo o processo na tela, como resultado de quais incisões abdominais não são necessárias.

Após a operação, inicia-se o período de reabilitação, que pode durar até um mês e consiste principalmente na ausência de esforço físico e controle nutricional.

Indicações para laparoscopia

A cirurgia imediata é necessária se os seguintes sintomas estiverem presentes:

  • dor intensa na região pélvica ou lombar,
  • tontura, palidez da pele, vômitos,
  • sangramento.

A escolha do tipo de tratamento cirúrgico para o tratamento de um cisto é influenciada pelo tamanho da formação, pela espessura das paredes, pela necessidade de remover os anexos ou o útero. Neste último caso, a laparotomia é mais frequentemente prescrita (devido ao tamanho do órgão a ser removido). A condição do paciente e o risco de complicações também afetam a forma como a cirurgia é realizada. A laparoscopia é mais frequentemente escolhida devido ao rápido período de recuperação e ao menor risco de complicações.

No caso de uma mulher com uma patologia dos sistemas cardiovascular ou endócrino, é extremamente indesejável realizar uma intervenção cirúrgica. Em seguida, o paciente precisa passar por um exame de ultrassonografia regularmente a cada três meses para monitorar o crescimento da formação cística.

Possíveis complicações e conseqüências

No caso em que a intervenção cirúrgica para um cisto ovariano é realizada por laparoscopia, o período de recuperação total dura menos de um mês e o risco de complicações é muito menor em comparação com a cirurgia abdominal. Os pacientes geralmente deixam a clínica no dia seguinte à laparoscopia.

No entanto, vale a pena considerar que, no período da menopausa, o corpo de uma mulher não é capaz de se recuperar tão rapidamente quanto em tenra idade. Com base nisso, é necessário ouvir as recomendações do médico assistente.

As primeiras horas após a laparoscopia podem ser perturbadas por tontura, náusea e calafrios, associadas à anestesia usada durante a operação. 2-3 dias aparecerá dor no abdômen, útero e anexos. Este sintoma é facilmente aliviado com analgésicos.

Como a intervenção foi realizada através da parede abdominal, manifestações desagradáveis ​​por parte do trato gastrintestinal também podem ser perturbadoras: flatulência, inchaço, aumento da formação de gás. É necessário dar especial atenção à nutrição, é importante restaurar gradualmente a motilidade intestinal e evitar a constipação. O médico irá prescrever uma dieta especial que deve ser rigorosamente seguida.

Consequências menos comuns após a laparoscopia:

  • formação de aderências nas trompas de falópio ou na cavidade abdominal,
  • recorrência da doença.Após a operação, o médico prescreverá ultrassonografias regulares com uma freqüência de 3 a 6 meses para monitorar o surgimento de novas formações císticas,
  • distúrbios hormonais,
  • infecção, o que ajudará a evitar a seleção cuidadosa da clínica e do médico.

Conformidade com as recomendações do médico em relação a dieta e exercício físico, tomando medicamentos prescritos, exames regulares ajudará a evitar complicações após a laparoscopia.

Os efeitos da laparotomia

No caso da remoção de um cisto ovariano ou de uma ovariectomia por cirurgia abdominal, as recomendações gerais para recuperação e observação são quase as mesmas que após a laparoscopia. No entanto o período de recuperação após a laparotomia dura um pouco mais.

O paciente pode sentir dor nos ovários até 6-8 dias após a cirurgia. No caso da dor durar mais tempo, é necessário consultar urgentemente um médico. É necessário monitorar a condição das costuras para evitar sua divergência ou supuração.

Tratamento de cistos sem cirurgia

Em alguns dos casos descritos acima, o tratamento pode ser prescrito sem cirurgia. A terapia complexa de formações císticas com as seguintes preparações executa-se:

  1. Drogas hormonais - progestina (urozhestan, dufaston).
  2. Antiestrogens (tamoxifeno, novofen).
  3. Drogas que aumentam a imunidade (Vitaminas A e C, cycloferon).

O auto-tratamento é estritamente proibido, porque os métodos errados de terapia não só não ajudam, mas também provocam o crescimento de formações císticas.

Cisto durante a menopausa não é incomum. O tratamento oportuno, o tratamento adequadamente selecionado e o monitoramento regular ajudarão a evitar o risco de complicações, bem como a transformação de cistos benignos em tumores malignos.

Grupo de risco

Certas categorias de mulheres são mais propensas à ocorrência dessa patologia. Isso é determinado por causas externas e por seu modo de vida. Fatores que aumentam o risco de cistos ovarianos após 50 anos:

  • menopausa precoce,
  • doenças do apêndice,
  • falta de gravidez, parto, amamentação completa,
  • infecções genitais passadas ou atuais,
  • um grande número de abortos, abortos,
  • predisposição para miomas uterinos,
  • o curso de processos inflamatórios na área genital, ou sua história,
  • alterações involutivas nos ovários antes da menopausa,
  • sangramento uterino,
  • tomar contraceptivos orais e outras drogas hormonais no passado.

Com um cisto de ovário que surgiu antes da menopausa, as mudanças geralmente ocorrem durante o período de sua ocorrência - pode acelerar o crescimento ou, inversamente, parar de aumentar de tamanho.

Esses fatores nem sempre contribuem para a ocorrência da patologia. Eles aumentam o risco de qualquer doença da esfera ginecológica, mas sua presença não é capaz de indicar o desenvolvimento exato dos cistos.

Típico para os tipos de formações da menopausa

Existem dois tipos principais de cistos ovarianos em mulheres - funcionais e epiteliais. Os primeiros desenvolvem-se sob a influência de irregularidades menstruais e freqüentemente passam por conta própria. Após o início da menopausa, os períodos menstruais estão ausentes, portanto, o risco de ocorrência de tal doença é mínimo.

Cistos funcionais estão presentes no corpo de uma mulher depois de 50 anos apenas com a continuação do fluxo de ciclos menstruais.

Estruturas epiteliais são capazes de aparecer a qualquer momento. Eles, ao contrário de outros tipos de patologia, são considerados os mais perigosos - eles tendem a degenerar em tumores malignos. Sua ocorrência em qualquer idade requer tratamento imediato.

Tipos de cistos ovarianos durante a menopausa, presentes no apêndice direito ou esquerdo:

  1. Papilar Tem muitas papilas, é propenso a um aumento ativo, incluindo a germinação nas paredes dos órgãos adjacentes.
  2. Endometrioide. A conseqüência de um longo curso de endometriose. Contém um líquido marrom com impurezas no sangue.
  3. Mucinoso Capaz de crescer rapidamente. É um composto de várias cápsulas cheias de muco.
  4. Serosa Formação solitária com líquido no interior, tem forma arredondada.
  5. Paraovarial. Conteúdo interno é líquido. Muitas vezes cresce para tamanhos grandes.
  6. Dermóide. Geralmente ocorre no útero, mas pode crescer ao longo da vida. Contém tecidos de cabelo, unhas, pele, etc. É uma consequência da violação do desenvolvimento intra-uterino.

Esses tipos de cistos ovarianos que se formam após a menopausa geralmente afetam apenas um órgão. Com sua presença bilateral requer uma abordagem mais séria do tratamento, na maioria das vezes isso requer intervenção cirúrgica.

Causas da patologia

Causas de formação de cisto em mulheres após 50 anos, muitas vezes agem em conjunto com fatores de risco. Para estabelecê-los, pode ser difícil na ausência de sérios desvios na saúde do paciente.

As principais causas das formações:

  • insuficiência hormonal - muitas vezes presente quando ocorre a menopausa,
  • processo inflamatório nos genitais
  • sangramento uterino de intensidade variável,
  • tomando medicação sem o testemunho de um médico,
  • menopausa precoce,
  • a presença de infecções e fungos nos genitais,
  • intervenções cirúrgicas ginecológicas adiadas,
  • lesão na região pélvica.

Muitas vezes, os cistos depois de 50 anos formam-se abaixo da influência de modificações hormonais características do começo da menopausa.

Na etapa inicial do desenvolvimento da educação nos anexos raramente são acompanhados por quaisquer sintomas. Sinais de sua presença aparecem à medida que crescem.

Sintomas de cisto nos ovários em uma mulher depois de 50 anos:

  • aumento da micção
  • assimetria do abdome ou seu aumento,
  • dor puxando e doendo no baixo-ventre - os ovários afetados durante a menopausa podem doer mais durante o esforço físico e as relações sexuais,
  • sangramento da vagina,
  • veias varicosas,
  • constipação.

Esses sinais ocorrem quando atingem a formação de tamanhos grandes. Alguns deles estão associados ao aumento da pressão do cisto nos órgãos vizinhos - isso é manifestado pela ocorrência de varizes, distúrbios intestinais, etc.

Diagnóstico

Para identificar a presença de patologia não é necessário realizar um grande número de pesquisas. Dificuldade só pode causar a definição do tipo de cisto.

Medidas diagnósticas para detectar a educação nos apêndices:

  • pesquisa de pacientes - determinação dos sintomas da doença, a duração de sua ocorrência, a presença de doenças atuais ou passadas da esfera sexual,
  • exame ginecológico - avaliação do estado dos órgãos internos da mulher, sua dor, determinação de desvios em sua estrutura,
  • esfregaço vaginal - análise da microflora local, detecção de possível infecção, presença de impurezas no sangue nas secreções,
  • Ultrassonografia - determinar o tamanho do ovário e a própria formação,
  • RM - o estudo da estrutura do cisto, o grau de crescimento,
  • biópsia - participando da formação para identificar seu tipo,
  • A laparoscopia - cirurgia minimamente invasiva, é realizada tanto para o diagnóstico dos órgãos genitais como para o tratamento subsequente,
  • exames de sangue para marcadores tumorais - detecção da presença de células cancerígenas no corpo.

Quando um tumor maligno é detectado, o paciente também é prescrito um raio-x dos pulmões e uma ultra-sonografia dos órgãos vizinhos e gânglios linfáticos para determinar possíveis metástases.

Formações de tamanho

O diâmetro é determinado pelo tipo de cisto, a duração de sua presença no corpo e as características individuais da mulher, afetando a velocidade de seu crescimento. O tamanho das formações durante a menopausa depois de 50 anos:

  • papilar - até 10 cm
  • endometrioide - até 12 cm
  • mucinoso - até 50 cm
  • seroso - até 15 cm
  • paraovarial - até 30 cm
  • dermoid - até 15 cm, às vezes mais.

Os sintomas da presença de um cisto aparecem quando atingem um tamanho de cerca de 4-8 centímetros. Na ultra-sonografia, é possível detectar a formação e o diâmetro menor - geralmente acontece em exames médicos agendados.

Métodos de tratamento

A escolha do método de tratamento depende do tamanho do cisto e seu tipo, a idade da mulher, suas características individuais. Eliminar a patologia usada como droga, cirurgia ou algumas terapias tradicionais. Muitas vezes, para alcançar um resultado ideal, métodos de tratamento de cistos ovarianos durante a menopausa são combinados uns com os outros.

Ingestão de medicação

Este tipo de terapia é relevante para entidades com diâmetro não superior a 5-7 cm, não propenso a crescimento rápido. O tratamento de cistos ovarianos após os 50 anos de idade é prescrito com medicamentos somente se um apêndice for afetado, com baixa probabilidade de ocorrência de um processo maligno.

Preparativos para a eliminação da patologia:

  • hormonal - tal terapia é usada na pré-menopausa ou em tipos hormonais de cistos ovarianos,
  • anticancerígeno - inibe o crescimento da educação, reduz seu tamanho,
  • melhorar o suprimento de sangue local - permite que o cisto ovariano se resolva por conta própria durante a menopausa,
  • imunoestimulantes - aumentam o nível de imunidade,
  • anti-inflamatórios - são prescritos na presença de processos inflamatórios nos genitais,
  • analgésicos - fazem o paciente se sentir melhor
  • antibacteriano - necessário na presença de infecções do trato genital.

Ao tratar sem cirurgia, uma mulher com cisto ovariano em mulheres na pós-menopausa é recomendada para manter a paz sexual, evitar o esforço físico excessivo e criar uma dieta balanceada. Isso ajudará a acelerar o processo de cura. Se não for possível tratar um cisto ovariano durante a menopausa, ou se os agentes prescritos não tiverem efeito, a intervenção cirúrgica é necessária.

Remédios homeopáticos

Medicamentos homeopáticos ajudam a acelerar a eliminação de cistos, restaurar a função dos órgãos genitais, reduzir a manifestação dos sintomas da menopausa. Muitas vezes eles são usados ​​na presença de doenças da tireóide.

Tipos de remédios homeopáticos para o tratamento da patologia:

Medicamentos homeopáticos com ação hormonal, como a menopausa, podem ser usados ​​para um cisto ovariano somente com a permissão de um médico.

Este método terapêutico é usado como auxiliar ou quando é impossível usar outro tipo de tratamento.

A maioria dos tipos de formações epiteliais é removida por intervenção cirúrgica. Casos de cura para cistos ovarianos malignos durante a menopausa são mais comuns após a operação. Isto é justificado pela maior eficácia deste método de terapia entre outros, o baixo risco de recorrência da patologia.

Indicações para cirurgia:

  • grande quantidade de patologia,
  • motilidade alta do cisto
  • torção da educação,
  • ruptura do apêndice ou seus cistos ou o risco de ruptura,
  • alta temperatura corporal
  • sangramento uterino pesado,
  • aumento do risco de processo maligno no apêndice,
  • o rápido crescimento da educação
  • lesão bilateral dos ovários.

Tipos de cirurgia utilizados:

  1. Laparoscopia. Realizando a operação, fazendo várias pequenas incisões usando um laparoscópio, no final do qual uma câmera está localizada. Na maioria das vezes usado para remover pequenos cistos. Possui um processo de reabilitação rápida.
  2. Laparotomia. Fazendo uma grande incisão na cavidade abdominal. Nomeado para eliminar grandes entidades e, se necessário, intervenção de emergência.

Na presença de uma patologia maligna, a remoção do apêndice afetado ou a remoção completa dos órgãos genitais internos é prescrita.

A duração da reabilitação após a cirurgia depende do tipo de intervenção e do tipo de tumor removido. Na ausência de câncer, a recuperação completa ocorre após 1-3 meses. Após a detecção de processos malignos no corpo após a cirurgia, os cursos de quimioterapia são frequentemente prescritos, o que prolonga o processo de reabilitação.

Métodos folclóricos

Receitas da medicina tradicional - um método auxiliar de tratamento. É usado em conjunto com a terapia medicamentosa ou no processo de recuperação após a cirurgia.

As ferramentas mais populares são:

  • decocção de divisórias de nogueira,
  • suco de beterraba crua e folhas de aloe,
  • uma compressa na barriga do óleo de mamona,
  • cardo de tintura de álcool,
  • decocção de yarrow.

A dosagem exacta destes fundos e o método da sua recepção devem ser clarificados com o médico. Além disso, você deve eliminar a interação dos componentes dessas receitas com medicamentos.

Possíveis conseqüências e complicações

Consequências se desenvolvem na ausência de intervenção médica ou com a escolha errada do tratamento. Uma tentativa independente de eliminar a doença com a ajuda de pessoas e outros meios ineficazes pode acelerar o crescimento da educação ou não ter o efeito desejado, o que também pode ter um impacto negativo na saúde.

A probabilidade de complicações é alta durante o curso do processo maligno no apêndice, a detecção de câncer nos últimos estágios é especialmente perigosa.

Possíveis efeitos dos cistos ovarianos após 50 anos:

  • violação do trabalho dos órgãos vizinhos devido à sua compressão,
  • desenvolvimento de oncologia,
  • a necessidade de remoção completa dos órgãos genitais,
  • ruptura de um cisto ou do próprio ovário.

Qualquer tipo de formação em uma determinada idade requer tratamento imediato.

Cistos ovarianos em mulheres com mais de 50 anos são mais frequentemente eliminados por medicação ou cirurgia. Este último método é considerado o mais eficaz e previne muitos dos efeitos da patologia. Para evitar o desenvolvimento da doença, é necessário visitar o ginecologista a cada seis meses - isso é especialmente importante no momento da menopausa.

Pin
Send
Share
Send
Send